sábado, 9 de março de 2013

Trabalho e persistência

Palmira Pedro

Quis o Calendário Indiano definir este ano como o “Ano da Serpente”. Iniciado em 9 de fevereiro, tem duas semanas de festa. Estamos portanto na auge da sua comemoração. Penso que em tudo podemos encontrar analogias. E se a serpente rasteja para viver, também a direção deste Jornal, que orgulhosamente hoje comemora o seu centenário, em número de edições, o tem feito, rastejando muitas vezes, mas de cabeça erguida para alcançar a meta desejada. Dando dignidade ao Jornal, dá-a também ao concelho, divulgando-o em todas as suas vertentes, e levando o abraço fraterno a centenas de emigrantes que o aguardam com ansiedade para saber notícias da sua terra. Imparcial, sem cor política, nem credo religioso, uma porta aberta para todos, um distintivo de Penela, e do qual Penela se pode (e deve) orgulhar. Às vezes incompreendido por mentes menos abertas, que veem apenas que se “atrasou”, mas sem a preocupação de saberem se pagaram a assinatura ou se o atraso não terá a ver com razões que por isso se justificam. Mas felizmente chegamos a uma etapa única atingida na nossa imprensa regional. Quatro anos, quarenta e oito meses, centenário! Basta fazer contas... e encontramos a assiduidade do Jornal. Nunca Penela teve um Jornal assim - a Voz de Penela completou o n.º 100 aos seis anos de existência.
Colaboradores de excelência, desde Catedráticos, a Bispos, Padres, Historiadores, e Escritores, Professores, Advogados, Políticos de todos os quadrantes, Jovens, Pessoas simples do nosso Povo, a todos tem sido dada a oportunidade de se manifestarem dignamente com os artigos que nos queiram e possam enviar. Rubricas de opinião, de ficção ou outros, temas centenários também, como A Nossa Gente. Um pouco mais recentes, todas as nossas escolas, as nossas aldeias, em que percorremos todo o concelho dando a conhecer a seu interesse histórico, cultural, paisagístico, económico, os acontecimentos significativos, As nossas Festas, o Inverno Cultural, o Desporto, os Seminários, as iniciativas da nossa Câmara, os problemas existentes, as inaugurações de novas lojas, a participação nos dias nacionais ou internacionais da mulher, da criança, dos avós, do ambiente, as festas infantis, o acompanhamento à Misericórdia, à Universidade Sénior, às festas da Catequese e da Igreja, aos arraiais, a divulgação dos nossos conjuntos musicais ou grupos corais, teatro, Filarmónicas, Bombeiros, os inquéritos de rua, concursos de fotografia, de quadras populares, de contos de Natal, num apelo constante à arte e criatividade dos nossos concorrentes, e com um destaque especial para a I Gala do nosso Jornal, uma festa linda a recordar, feita com a “prata da casa”. Distribuição de prémios ao Fado, à Música, à Poesia, ao Teatro, etc. A homenagem a Adriano Júlio, a mim própria, a António Arnaut, três amantes do concelho que, abnegados o têm servido e divulgado, trouxeram à nossa terra largas centenas de amigos, muitos deles a conhecer Penela pela primeira vez. Festas importantes que não são esquecidas, feitas com “prata da casa”, servidas por pessoas do concelho. Imaginar para uma pequena estrutura como a do nosso Jornal, o que representa todo este trabalho, para muitos será mesmo difícil, mas o êxito final impõe-nos continuar.
Uma missão só conseguida com diálogos, stress, lágrimas, algum desânimo, mas uma força anímica que é recompensada sempre que mais um número sai e em unanimidade dizemos… “está lindo!”. Os cêntimos são contados, corta-se um dedo para sarar outro, mas mesmo rastejando vamos avançando. Precisamos de apoio, não temos subsídios, vivemos das assinaturas e da publicidade. Temos muitas empresas, algumas com êxito que talvez nos pudessem ajudar um pouco mais, mas mesmo essas podem contar sempre connosco.
O Jornal Região do Castelo é também o arauto e o rosto do concelho de Penela, mostrando aos nossos emigrantes nos quatro cantos do mundo, o que nos deixa encantados. E para os que não acreditavam foi tempo perdido, porque para as coisas se tornarem fáceis, o difícil é começá-las. E a previsão do Ano da Serpente, está ligada a boas esperanças, prosperidade e longevidade.
Força António José Ferreira. Parabéns pelo seu trabalho e persistência! Parabéns a todos os que colaboram com o nosso Região do Castelo! Parabéns a todos os Penelenses!

1 comentário:

Ma-Ry disse...

Existe um pequeno engano: o "ano da serpente" que começou em 9-2-2013, não é do calendário indiano com mencionado no artigo, mas s86im do chinês.